domingo, janeiro 15, 2006

Paz podre

Três meses depois da posse deste executivo camarário, nota-se uma terrível acalmia no que concerne às acções da CMVV. Tenho para mim que o programa eleitoral da CDU foi feito à pressa quando se constatou que as eleições autárquicas não seriam favas contadas para esta força política e então urgia apresentar mais acções que todos os outros candidatos. Perante um rol de promessas tão vasto que se vê de palpável no terreno?Rien de rien. Espero ter-me enganado quando prenunciei que este mandato seria o da reforma antecipada do Presidente Condenado. Ai que saudades do bulício dos calceteiros...

8 Comments:

Blogger Calipole said...

Caro amigo, estou a tentar realizar um blog com informações históricas da nossa Vila e das personalidades conterrâneas, agradeço a sua divulgação e participação.

Obrigado

www.calipole.blogspot.com

6:20 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

TENHA TENTO NA LINGUA E INFORME-SE DAS COISAS COMO DEVE SER.
SÓ DIZ DISPARATES...
E JÁ AGORA NÃO TENTE MASCARAR AS EVIDENCIAS, POIS PERANTE OS RESULTADOS FORAM MAIS QUE FAVAS CONTADAS!

5:28 da tarde  
Blogger cáustico said...

Informo do quê?Daquilo que(não)vejo? Quanto aos disparates o senhor consegue bater-me aos pontos porque a expressão "favas contadas" significa "dar como garantido por antecipação" ou "tomar como certo antecipadamente". Agora aplique isso à sua frase e veja o disparate que acaba de escrever aqui...

10:35 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

É MESMO ISSO QUE PRETENDO DIZER, EMBORA NÃO A SI NÃO LHE ENTRE NA CABEÇA.
À PARTIDA AS ELEIÇÕES ESTAVAM GANHAS PARA A CDU E OS RESULTADOS SÓ VIERAM CONFIRMAR ALGO QUE JÁ ESTAVA PREVISTO.
FORAM FAVAS CONTADAS AH! AH! AH!

11:51 da manhã  
Blogger cáustico said...

É pena, a confirmar aquilo que V.Exª afirma só comprova que a falta de alternativas ao poder faz com que o marasmo se instale, que é aquilo que estamos a assustir neste momento.

8:35 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

DO INUTIL AO UTIL

A mesa do café, a Praça Pública, o canto da Comercial e até mesmo o Mercado Municipal são e têm sido ao longo de velha data locais onde os homens se encontram para falarem dos mais diversos assuntos, chegando mesmo, em muitas localidades, a ser considerado a frente do mercado municipal o local de hábito para se conseguir a jornada diária de trabalho que iria servir para matar a fome aos seus mais queridos.
Quero acrescentar, que tais locais foram e são frequentados por pessoas de bem e por homens de H.
Foi exactamente num destes locais que me foi chamada a atenção por pessoas amigas do que constava neste blog.
Curiosidade a minha que não fosse ver do que se tratava. Efectivamente nada era diferente do que o habitual. Consultado este e outros blogs a minha definição em nada se alterou.
Ou seja, salvo raras excepções, blogs são espaços criados pelas novas tecnologias para que os cobardes se manifestem.
Pois se nos locais atrás mencionado os homens discutem as suas ideias, se expuseram na venda do seu suor, dão a cara. Porque é que com o aparecimento destes novos métodos/tecnologias existe a cobardia da não identificação?
Certamente algo estará por detrás desta atitude, nem que seja pura e simplesmente a mentira.
Não posso desmentir que não estive presente numa reunião no passado dia 14, não posso desmentir que não tivesse sido uma reunião política, mas já posso desmentir de que não se tratou de um “plenário de militantes do PS”. Ou será que elementos, sócios, militantes de uma associação, colectividade, organização não se podem juntar para falar/discutir assuntos de interesse do colectivo. Ou será que além de cobardes também são ditadores?
Peço desculpa aos responsáveis do blog, pelos quais tenho grande consideração e estima, desta minha intervenção, porque julgo não merecerem eles e essencialmente o seu trabalho e dedicação, que o conteúdo deste espaço possa servir para “masturbações pessoais”.
“A carapuça serve a quem a enfiar.”
Assim, deixo aqui uma proposta: que este espaço possa servir para apresentação, discussão e criticas construtivas de ideias – MESA REDONDA.
Deixo em discussão um primeiro tema: “O EMPREGO”.
Para que o impacto possa ser de maior amplitude a minha exposição é abrangente aos Concelhos de Estremoz, Borba e Vila Viçosa.
Cuja caracterização dos Concelhos considero semelhante.

Considerandos:

1. Necessidade de oferta aos munícipes de assessoria e instrumentos em matéria de desenvolvimento sócio - económico;
2. Necessidade em melhorar as condições empresariais e/ou laborais;
3. Necessidade de colocar em marcha projectos de desenvolvimento económico e social;
4. Necessidade da existência de projectos de desenvolvimento económico e social de carácter municipal e supramunicipal.

Propõe-se a criação de:

Órgão Coordenador de Desenvolvimento dos Agentes Locais de Promoção e Emprego abrangendo os Concelhos de Estremoz, Borba e Vila Viçosa.

Objectivos Gerais:

1. Identificar e dinamizar recursos ociosos;
2. Maior mobilidade de recursos humanos especializados;
3. Acompanhar e assessorar novos empreendedores;
4. Promover, manter e organizar “ninhos” de empresas;
5. Detectar necessidades formativas;
6. Concertar, activar e administrar métodos para melhorar a competitividade das pequenas e médias empresas;
7. Promover itinerários personalizados para melhorar as probabilidades de emprego;
8. Observar e analisar o mercado de trabalho;
9. Identificar, mediante prospecção e diagnóstico sócio - económico no âmbito local e comercial fontes de recursos;
10. Cultivar um pensamento estratégico na planificação a curto e médio prazo;
11. Aplicar técnicas para a evolução de resultados.

Metodologias:

• Análise de projectos de criação de empresas;
• Ajuda para a realização de projectos de criação empresarial;
• Promoção de actividades;
• Formação profissional ocupacional;
• Aproveitamento de programas diversos;
• A gestão municipal deve estar vocacionada para incentivar os procedimentos para convites a empresas locais;
• Formação e informação às empresas locais na organização de processos para concursos públicos;
• Obrigatoriedade de clausulado contratual nas adjudicações de contratos públicos para que seja dada prioridade aos subempreiteiros do local;
• Incentivos municipais para a criação de postos de trabalho;
• Protocolos municipais com entidades financiadoras com objectivo de concessão de créditos para criação e viabilidade económica com taxa de juro zero.

No caso desta proposta vir a ser considerada, analisada, discutida e criticada, mas desde que por intervenientes devidamente identificados, proponho que o próximo tema seja:

• Aquando das eleições presidenciais todos nós ouvimos dizer pela diversa imprensa internacional que Portugal é o membro de Comunidade mais pobre.

TEMA: Até que ponto a política local no concelho de Vila Viçosa, desde 1994 tem contribuído para o avançar/estado desta pobreza.

(Francisco Chagas)
(Vila Viçosa, 2006-01-25)

2:51 da tarde  
Anonymous estou atento said...

Relativamente ao assunto do Sr. Franciso Chagas não percebi se um blog serve como espaço para "masturbações pessoais" ou para "masturbações intelectuais".
Já agora peço desculpa por ser mais um dos muitos cobardes(?) bloguistas que se manifestam debaixo da capa do anonimato, mas para se discutirem ideias não são precisos nomes(podemos ficar amedrontados logo no início com o nosso interlocutor).Além do mais, assim fica muito mais interessante.
Estou a pensar assinar com pseudónimo.

4:14 da tarde  
Anonymous Anónimo said...

Afinal ó palhaços o homem, o chagas, é o coiso e tal ou não. A que conclusão chegamos restauradores e luistata. Pareceme que vocês é que andam a querer conversa. Querem difamálo por qualquer motivo.
Secalhar ele até tem razão.

Cumprimemtos do JP

3:54 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home