domingo, dezembro 04, 2005

Pagar ou não pagar?

A prática iniciada por alguns comerciantes em que os caloteiros vêm afixado o seu nome no estabelecimento credor ganhou adeptos no Ministério das Finanças, pelo que agora é possível saber quem anda a sonegar parte do Orçamento Geral do Estado. Ambas as situações são patéticas; de um lado, o comerciante que vende sem emitir qualquer documento como forma de fugir, ele próprio, ao dever imperioso de pagar impostos vê-se ludibriado por quem tem a plena consciência que não há sistema penal que o condene desde que ele não assuma a dívida, pela simples razão que há uma dupla infracção - a sua e a do vendedor. De outro lado, o Estado vê-se obrigado a coagir desta forma os contribuintes, o que revela que todos os métodos de coacção são ineficazes e que, afinal, só paga impostos quem quer. Se a minha penalização por não pagar impostos for um simples papel onde eu consto como cidadão desonesto, então eu quero que me seja dada a possibilidade de não-pagamento dos impostos porque todos somos iguais perante a lei.

2 Comments:

Blogger O Restaurador said...

O problema é que nós não somos podres de ricos para podermos fugir aos impostos e o governo lavar-nos o cuzinho com agua das malvas...

10:40 da manhã  
Anonymous Anónimo said...

Que tal iniciar uma campanha on line a favor/apoio à declaração de Vila Viçosa como Patrimonio Mundial da Humanidade pela UNESCO.

Todos por Vila Viçosa

5:24 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home