quarta-feira, outubro 19, 2005

O mundo do mármore

Verdadeiro barómetro das crises, o mármore alentejano constitui-se como uma das principais riquezas desta região. Mas quando a fonte se esgotar, ou as alternativas começarem a surgir, que será destas gentes que dependem dele para sobreviver? Além disso, penso que o mundo empresarial do mármore vestiu as peles da arrogância e será incapaz de evoluir para onde quer que seja quando algo correr mesmo mal. Não há industrial que não se preze de passear o seu jipe como sinónimo de vaidade em sinal de status quo, exibir o seu palacete no Alto da Boavista, poucos ou nenhuns são aqueles que reagem, que inovam e que promovem o que quer que seja. O mármore libato está dividido em pequenas quintas incomunicáveis entre si. Quando a bomba estoirar, e não estou a agoirar, cada chefe-de-quinta agarrará no seu pote-mealheiro e mandará às urtigas aqueles que vivem à míngua. Leiam Marx e vão ver se não é assim...